A editora

Minha foto
Nasci no Recife, capital de Pernambuco, um dos 26 Estados do Brasil. Sou jornalista diplomada, amante da vida e de tudo que é positivo, verdadeiro e autêntico. Deixei as águas do Capibaribe, o mais famoso rio que banha o Recife. Atravessei o Oceano Atlântico e desaguei no rio Tejo, que acalenta Lisboa. E para aproximar esses dois lugares tão distantes mas com fortes ligações históricas e culturais, dei início a construção desta "ponte" Pernambuco-Portugal.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Filme português sobre o Complexo do Alemão

O documentário Complexo - Universo Paralelo, dos irmãos portugueses Mário e Pedro Patrocínio, estreia em Portugal no dia 13 de janeiro. O filme recebeu o prêmio Direitos Humanos no Artivist Film Festival, nos Estados Unidos.

No Complexo - Universo Paralelo os irmãos Patrocínio retratam a vida da comunidade do Complexo do Alemão, um conjunto de favelas da Zona Norte do Rio de Janeiro (Brasil) que foi recentemente alvo de uma operação policial contra o narcotráfico.

Recife prepara mais qualificações para 2011

As próximas categorias contempladas pelo programa de Qualificação Profissional para os Atores da Cadeia Produtiva do Turismo no Recife, em 2011, são barraqueiros de coco, guardas municipais, garçons, cozinheiros, além de gerentes de bares, restaurantes, meios de hospedagem e agências de viagens. O Curso de Qualificação é realizado pela Secretaria de Turismo do Recife e qualificou em 2010 quase dois mil profissionais. A meta para 2011 é de 373 profissionais.

Desde 2006, foram capacitados mais de cinco mil profissionais do setor em cursos realizados pela Secretaria de Turismo do Recife e parceiros. Ainda em 2011, serão realizadas palestras sobre “Bem Receber” para participantes de todas as categorias da cadeia produtiva.

Fonte: Secretaria de Turismo do Recife

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Exposição Brasília 50 anos

A exposição itinerante Brasília 50 anos – Meio Século da Capital do Brasil, que comemora o aniversário da cidade brasileira, pode ser vista até o próximo dia 12 de janeiro, no Espaço Atmosfera na Escola Técnica de Imagem e Comunicação (ETIC), em Lisboa, Portugal.

Brasília 50 anos conta a história da cidade através de uma mostra de artes visuais que inclui fotografias da construção, maquetes, vídeos, documentação, livros e informação sobre os principais atores da edificação de Brasília: Juscelino Kubstichek, Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e Athos Bulcão, além de Burle Marx e Le Corbusier.

Exposição Brasília 50 anos – meio século da capital do Brasil
Lisboa: 15 dezembro - 12 Janeiro
Espaço Atmosferas - Rua da Boa Vista, 67
Terça a domingo das 11h às 19h
Entrada gratuita
http://www.brasilia50.info/pt

Rede Deltaexpresso em Caruaru

Quem mora no município de Caruaru, Região Agreste de Pernambuco, já pode saborear os blends e iguarias da rede de cafeterias Deltaexpresso. A unidade funciona no North Shopping Caruaru e segue o conceito coffee convenience store que une quatro espaços dedicados ao café dispostos em um só lugar.

A Delta Cafés é líder em Portugal e exporta para mais de duas dezenas de países. No Brasil é representada pela Eurobrasil Distribuidora, empresa pernambucana com capitais portugueses e brasileiros e proprietária da rede Deltaexpresso.

Unidades Deltaexpresso em Pernambuco:
Caruaru:
North Shopping Caruaru
Endereço: Av. Adjar da Silva Casé, 800
Recife:
Shopping Recife
Endereço: Rua Padre Carapuceiro, 777, Boa Viagem
Shopping Plaza
Endereço: R. Dr. João Santos Filho, Casa Forte
Recife Antigo
Endereço: Av. Marquês de Olinda, 302 Recife Antigo
Shopping Tacaruna
Endereço: Avenida Agamenon Magalhães nº 153 – Santo Amaro

Fonte: Alshop

sábado, 25 de dezembro de 2010

Poema de Natal

Carlos Pena Filho

_ Sino, claro sino,
tocas para quem?
_ Para o Deus Menino
que de longe vem.

_ Pois se o encontrares,
traze-o ao meu amor.
_ E que lhe ofereces,
velho pecador?

_ Minha fé cansada,
meu vinho, meu pão,
meu silêncio limpo,
minha solidão.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Procura de ensino do português nos EUA subiu 10,8%

O número de estudantes inscritos em cursos de português nas universidades norte-americanas atingiu os 11.371 em 2009, mais 10,8 % do que há três anos, revela um relatório da Associação de Línguas Modernas (MLA).

Ainda segundo o estudo, o ensino superior americano oferece mais de 230 línguas estrangeiras, sendo que a língua portuguesa é a 13ª mais estudada, numa lista liderada pelo espanhol, francês e alemão.

Face aos dados da pesquisa anterior, realizada em 2006, a língua portuguesa é o quinto idioma que mais cresce em termos percentuais (10,8 %).

Fonte: Diário Digital / Lusa

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O Natal do Recife

Fotografias: Carlos Bayma*


Recentemente pedi a Carlos Bayma, parceiro na construção desta ponte Do Capibaribe ao Tejo, que me enviasse uma fotografia da decoração de Natal do Recife, já que estou em Lisboa. Gentil e atencioso como sempre, ele prontamente enviou não apenas uma mas sim várias fotos que retratam Recife como um belo cenário de luzes e cores refletido nas águas do Capibaribe.



Rio Capibaribe: o espelho da bela Recife



Aproveito esta mensagem para enviar um abraço especial para alguns pernambucanos que estão, como eu, longe do Recife e que visitam este blog para matar a saudade da Veneza Brasileira:

minhas primas Marcela Reynolds (Inglaterra) e Rosemery Albuquerque (Fortaleza), Jô e Charles Lins (Genêve, Suíça), Alexandre de Lima (Lisboa, Portugal), Duda Guennes (Lisboa, Portugal), Regina Aguiar (Salamanca, Espanha), Regina Villaça (Bélgica), meu primo Hermann Brederode (Berlin, Alemanha), Maria Evangelina (Suíça), Mazinho Marques e Luiza (Califónia, Estados Unidos), Maria Peixoto e família (Lisboa, Portugal), Pedro e Carmen (Almada, Portugal) Glória Guedes (Lisboa, Portugal), Ernesto Vilar (Lisboa, Portugal), Linda Coutinho (Paris, França), Manoella Valadares (Lisboa, Portugal), (Alessandro Barbosa Lima (São Paulo, Brasil) e Assir Dasilva (Michigan, Estados Unidos).



A Árvore de Natal do Recife tem 33 metros de altura e é composta por 200 mil CDs e DVDs reciclados. Ela está montada em balsas no Rio Capibaribe em frente ao Paço Alfândega, no centro da cidade.


Carlos Bayma: o autor de tão belas imagens

*Para ver outras fotografias de Carlos Bayma, acesse a galeria do autor no site Olhares: http://olhares.aeiou.pt/carlosbayma
Visite também o interessante blog de Carlos Bayma (Projeto CPM 40+ Conhecer para Mudar) http://projetocpm40.blogspot.com

domingo, 19 de dezembro de 2010

A origem do topónimo SESIMBRA

Igreja de Nossa Senhora do Cabo Espichel, Sesimbra

Por Maria do Céu Carvalho Dias*

A pedido de um comentarista (ver mensagem Os árabes em Sesimbra) vos direi, com base numa conversa com o meu amigo e ex-aluno Luís Ferreira, arqueólogo e autor do livro “Da pedra ao acorde: o Castelo de Sesimbra”, que o nome Sesimbra tem origem na língua celta – Cempsibriga – que já aparece nos escritos romanos ligada ao Cabo Espichel. Cempsi vem de o povo Cempso que habitou esta região e Briga quer dizer povoação fortificada. Também importante é lembrar-vos que no Foral de Sesimbra de 1201, Sesimbra já é “Sesimbria”.Outras hipóteses discutíveis já surgiram, como Shezambra (do árabe); Sysimbrium (do latim) que é a designação de uma planta, provavelmente existente nesta zona, e cujas flores brancas as noivas romanas utilizavam para fazer as suas grinaldas; Sisymbrinm (também do latim) que significa a planta agrião.
Como para quase tudo em Portugal há uma explicação lendária, também o nome Sesimbra tem uma lenda:
- Há muitos, muitos anos, quando estas terras eram povoadas e governadas por um tirano que exigia variados tributos, inclusivamente dormir com as noivas na véspera do casamento (direito comum na Europa), o pescador Zimbra não aceitou esta exigência do Senhor com a sua noiva Maria. Tentou convencer outros colegas a terem a mesma atitude e fugirem para junto do mar, onde passariam a viver. Ao chegar a véspera do seu casamento com Maria, acompanhado por outros casais desceram o monte e fundaram a vila de Sesimbra. O nome relaciona-se com o papel de chefe que Zimbra passou a ter, pois sempre que era preciso tomarem posição diziam: “Se Zimbra quiser” e daí Sesimbra.


* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa

sábado, 18 de dezembro de 2010

Réveillon em Lisboa

O blog já divulgou a programação do Réveillon do Recife. Agora é a vez de contar como será a festa da “virada de ano” em Lisboa.

A renovada Praça do Comércio será o grande salão de festas da capital de Portugal para celebrar a chegada de 2011, com shows e muita animação a partir das 22h. Os grupos A Fúria do Açúcar e Xutos e Pontapés serão os anfitriões desta noite festiva que vai culminar com um belo espetáculo de pirotecnia junto ao rio Tejo, numa sequência alucinante de movimentos, luz e efeitos especiais.

As zonas da Baixa-Chiado, Bairro Alto, Santos e Parque das Nações são outras das áreas de diversão de Lisboa escolhidas para comemorar a entrada em 2011. A festa é garantida nos bares e discotecas da cidade, prolongando-se sem pausas no Casino Lisboa que reserva para a última noite de 2010 uma programação especial com muitas atrações e concertos de entrada livre.
Fonte: Turismo de Lisboa

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Aumentam as exportações do Vinho do Porto para o Brasil


Segundo o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), as exportações de Vinho do Porto para o Brasil aumentaram 43% até outubro, para os níveis mais altos desde 2005, somando 4,47 milhões de euros.

O Brasil está na 10.ª posição entre os principais países consumidores de Vinho do Porto. A França ocupa a liderança, seguida de Portugal, Holanda e Bélgica, Reino Unido, EUA , Canadá , Alemanha e Dinamarca. Entre os 25 principais mercados para o Vinho do Porto, os que registram maior crescimento de vendas este ano são a Rússia, Dinamarca e Nova Zelândia.

Fonte: Agência Financeira

Bazar de Natal na Casa do Brasil de Lisboa

Casa do Brasil de Lisboa
Rua Luz Soriano, Nº 42
Bairro Alto, Lisboa
Informações: 213400000

Engenho Massangana de portas abertas

A Casa Grande e a Capela de São Mateus do Engenho Massangana, que foram totalmente restauradas, vão ficar abertas para visitação pública, a partir desta sexta-feira (17). A reinauguração do engenho marca o término das comemorações do Ano Nacional Joaquim Nabuco.

O projeto de requalificação física e patrimonial do conjunto do Engenho Massangana ( casa grande, arruado, capela e jardins), foi executado em parceria com o Iphan, UFPE, Fundarpe, Porto de Suape, prefeituras do Cabo de Santo Agostinho e de Ipojuca e das comunidades locais.
O abolicionista Joaquin Nabuco viveu no Engenho Massangana até os oitos anos de idade.

Engenho Massangana
Km 10, PE 60 – Município de Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco
Visitação: terça a sábado
Horário: 9h às 16h30
Entrada: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia). Excursões de escolas públicas têm entrada gratuita. As visitas em grupo devem ser agendadas no site da Fundação Joaquim Nabuco: www.fundaj.gov.br

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Lisboa recebe a exposição Brasília 50 anos

A exposição itinerante Brasília 50 anos – Meio Século da Capital do Brasil, que comemora o aniversário da cidade brasileira, foi inaugurada ontem (14) em Lisboa e pode ser vista até o dia 12 de Janeiro de 2011, no Espaço Atmosfera na Escola Técnica de Imagem e Comunicação (ETIC).

Brasília 50 anos conta a história da cidade através de uma mostra de artes visuais que inclui fotografias da construção, maquetes, vídeos, documentação, livros e informação sobre os principais atores da edificação de Brasília: Juscelino Kubstichek, Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e Athos Bulcão, além de Burle Marx e Le Corbusier.

Brasília foi declarada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco em 1987, sendo a única cidade construída no século XX que recebeu esta honra.

Exposição Brasília 50 anos – meio século da capital do Brasil
Lisboa: 15 dezembro - 12 Janeiro
Espaço Atmosferas - Rua da Boa Vista, 67
Terça a domingo das 11h às 19h
Entrada gratuita
http://www.brasilia50.info/pt

Livro sobre os naufrágios brasileiros


O escritor e jornalista José Carlos Silvares lança, nesta quarta-feira (15) o livro Naufrágios do Brasil, uma cultura submersa, na livraria Cultura do Paço Alfândega, no bairro do Recife.

A obra, texto bilíngue português e inglês, relata histórias e lendas sobre os principais naufrágios da costa brasileira e traz imagens históricas e subaquáticas do mergulhador e fotógrafo pernambucano Fernando Clark, especialista em imagens submarinas.
Em todo o Brasil existem mais de dois mil navios submersos que foram catalogados desde a época do Descobrimento do país.

Campanha de Natal

Os pernambucanos e portugueses ainda podem realizar, neste Natal, o sonho de uma criança de até 10 anos de idade em situação de vulnerabilidade social.

Quem mora em Pernambuco, basta escolher uma das cartas da campanha Papai Noel que estão expostas no hall da Agência Central dos Correios, na Avenida Guararapes. Depois é só entregar o presente no mesmo endereço.

Já os portugueses podem indicar a cartinha que querem apadrinhar em uma das agências do CTT que participam da campanha Pai Natal Solidário ou através do hotsite: http://painatalsolidario.ctt.pt . O próximo passo é deixar a prenda na agência do CTT .
Nas duas campanhas a entrega dos presentes será feita pelos Correios.

Para mais informações acesse:
Campanha Papai Noel da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos:
http://www.correios.com.br/papainoelcorreios2010
Campanha Pai Natal Solidário Correios de Portugal CTT:
http://painatalsolidario.ctt.pt

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Ciclo natalino do Recife

Fotografia: Carlos Bayma

A capital pernambucana já vive o clima do Natal. No domingo (12) foi realizada a abertura dos festejos do Ciclo Natalino do Recife com a apresentação da Orquestra Sinfônica do Recife, no Marco Zero.

As manifestações culturais como pastoril, cavalo marinho, boi e reisado ganham destaque na programação preparada pela Prefeitura da Cidade do Recife para o Ciclo Natalino deste ano. Já a parte musical dos festejos traz shows gratuitos de grandes nomes locais e nacionais, como Eddie, Zé Cafofinho, Maciel Salú, Zé Brown, Isaar, Maestro Duda, Orquestra Popular do Recife, Claudionor Germano, Cascabulho, Cleyton Barros, Ivan Lins, Nelson Ayes, Beto Barbosa, Martinho da Vila, Paralamas do Sucesso, além do cantor português Roberto Leal, que faz apresentação com Cilene Araújo. As festividades terminam no dia 6 de Janeiro de 2011 com a Queima da Lapinha.

Em 2010, a Prefeitura do Recife dedica seu Ciclo Natalino ao Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP), complexo hospitalar localizado no centro do Recife que há 50 anos presta atendimento às famílias da Região Nordeste.

Saiba mais sobre o Natal do Recife 2010 : www.nataldorecife.com.br

*Para ver outras fotografias de Carlos Bayma, acesse a galeria do autor no site Olhares: http://olhares.aeiou.pt/carlosbayma
Visite também o interessante blog de Carlos Bayma (Projeto CPM 40+ Conhecer para Mudar) http://projetocpm40.blogspot.com

Recife realiza última reunião do Conselho de Turismo em 2010

A última reunião do ano do Conselho de Turismo do Recife (Conture) acontece nesta terça-feira (14) no Hospital Dom Pedro II, na Boa Vista. O secretário de Turismo do Recife, Samuel Oliveira, comanda os trabalhos e faz um balanço do desenvolvimento do turismo ao longo de 2010. Na pauta da 9ª reunião ordinária do Conture, a apresentação do modelo de pesquisa que será realizada em janeiro e fevereiro de 2011: “Avaliação do Destino” e “Perfil do Turista”.

Além disso, os conselheiros vão conhecer o projeto Recife Corporate e o resultado do Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores em que o Recife obteve o maior índice em Políticas Públicas. Na lista do balanço anual está também o prêmio de Melhores Práticas do Turismo, na categoria “Marketing e Promoção do Destino”, com o Game Show Recife te Quer, uma criação e realização da Secretaria de Turismo da Prefeitura do Recife, com apoio da ABIH-PE, Governo do Estado e Trade Turístico. Os prêmios fazem parte do Estudo dos 65 Destinos Indutores do Brasil, realizado pelo Ministério do Turismo (MTur), Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Sebrae.
Fonte: Secretaria de Turismo do Recife

Os Árabes em Sesimbra

Sesimbra vista do castelo

Por Maria do Céu Carvalho Dias*
Fotografias: Miguel Nuno de Carvalho Dias

Sesimbra é um município de cerca de 38000 habitantes espalhados por três freguesias, rodeado de elevações a norte, leste e oeste, banhado pelo Oceano Atlântico a Sul e a Oeste, localizado a uns 30 km a sul de Lisboa, ficando portanto na margem sul do rio Tejo e também à mesma distância da cidade de Setúbal. A actividade económica dividia-se pela agricultura, pesca e actividades extractivas, embora hoje a construção civil e o turismo ultrapassem aquelas. Ao longo do ano há festas que mobilizam os habitantes e são chamariz para o turista, como a Festa do Senhor Jesus das Chagas (4 de Maio) e o Carnaval.
Como escrevi noutro episódio, também nesta terra a investigação tem contribuído para mostrar o legado islâmico. Há pouco tempo foi descoberta uma placa epigráfica árabe na gruta 4 de Maio: é de madeira compacta, rectangular, com 58 centímetros de comprimento por 15,5 de largura e 1 centímetro de espessura. Segundo uma arabista esta placa poderia servir para o estudo do Corão e da língua árabe e é provavelmente do século XII, talvez da altura em que os cristãos conquistaram pela 1ª vez o Castelo de Sesimbra e por isso os árabes a esconderam. Numa outra gruta – Lapa do Fumo – ocupada desde a Pré-História e, na Idade Média por eremitas islâmicos provenientes do Norte de África, foram encontrados oitenta quirates de prata, moedas islâmicas cunhadas em Silves (pelo menos algumas) no século XII e algumas panelas do mesmo século.

Se estas marcas provam a presença muçulmana por estas paragens, a história de Portugal também. Como já sabemos esta ensina-nos que Portugal nasceu no século XII, que os reis de Portugal continuam o movimento da Reconquista iniciado no século IX, embora os Árabes nem sempre o permitam. D. Afonso Henriques, depois de conquistar Lisboa e Santarém em 1147, em 1165 passa o rio Tejo conquistando Palmela e chegando a Sesimbra que toma aos mouros. Mas como a Reconquista é feita de avanços e recuos, ainda no século XII os muçulmanos reconquistam várias praças portuguesas, atacando por terra e mar e destruindo o castelo de Sesimbra. Em 1201, Sesimbra recebe Carta de Foral (documento com os direitos e deveres duma povoação) do rei D. Sancho I. Assim, esta comunidade cristã, essencialmente rural, embora também ligada ao mar, vai-se desenvolvendo. O controlo militar, administrativo e a organização dos seus recursos e das suas gentes vai centrar-se no Castelo, entretanto reconstruído.
O Castelo fica num morro junto ao mar e é o cartão de visita da praia de Sesimbra. Desde D. Sancho I sofreu vários acrescentos e modificações, tendo sido praticamente abandonado nos séculos XV-XVI, quando os habitantes foram descendo para a zona ribeirinha, onde a vila de Sesimbra cresceu. Hoje tem sido recuperado e reaproveitado como obra cultural e memória dos sesimbrenses. O acesso é fácil e no espaço interior até tem uma cafetaria para um agradável lanche. É rodeado de muralhas, apresenta baluartes construídos posteriormente para as protegerem e também sofreu com o terramoto de 1755. Do lado nascente encontramos a parte mais antiga - a Alcáçova com a Torre de Menagem e uma cisterna, subterrâneo da Casa do Alcaide e para abastecimento da população. Esta torre não se apresenta semelhante às da mesma época, mas é “uma torre de vigilância reaproveitada, como sucede noutros locais do contexto peninsular fronteiriço, pela reutilização da primitiva torre de atalaia islâmica de forma quadrangular, à qual se adossou uma cerca.” Só mais tarde, do lado poente é construída outra torre, a Torre Nova, que se assumiu como vigia marítima. Neste Castelo viveu uma população, ora influenciada pela cultura islâmica, ora pela cristã, como o provam as cisternas, os silos, um lagar, os vestígios de cerâmicas islâmicas (loiças, telhas e até peças de jogo) e uma Igreja do século XII- XIII, embora reconstruída posteriormente
.


Castelo de Sesimbra


As marcas árabes são também visíveis na toponímia: ligada à pesca – xávega, almadravas, ou arrais; Azóia, Zambujal, Almoínha, Aiana, Alfarim, Amieira, Apostiça, Albufeira, Arrábida. Em expressões, como “Anda mouro na costa”, já referida no texto anterior. Em várias lendas, como a das Mouras Encantadas numa Cisterna do Castelo, que malévolas como eram queriam impedir os amores do pescador Vicente com a sua amada Laurinda, talvez moura, talvez cristã, que apareceu morta junto da cisterna, num dia de temporal. Conta a lenda que o pescador despertou as mouras que queriam ser desencantadas e, como o Vicente não lhes fez a vontade, elas vingaram-se na Laurinda. Portugal está cheio de lendas de mouras ora boas, ora más, mas esta história fez com que os pescadores sesimbrenses não mais fossem ao Castelo em dias de chuva e vento.

Próximo de Sesimbra fica a Serra da Arrábida e o Cabo Espichel que poderão ter sido, provavelmente devido à magia dos lugares altos, zonas de devoção mágico-religiosa desde tempos muito recuados. É provável, assim o dizem os especialistas, que o culto católico a Nossa Senhora do Cabo (Espichel) existente desde pelo menos o século XIV, seja uma reactualização do da época muçulmana em que já se organizavam peregrinações religiosas. Acrescentemos ainda outros aspectos:
- Muito próximo fica a Ermida da Memória que tem forma cúbica e zimbório semiesférico, recordando a Caaba de Meca. Terá sido morada de algum ermitão ou túmulo de algum santo venerado pelos muçulmanos e, provavelmente originou o nascimento, a poucos kilómetros, da povoação ainda hoje existente: Azóia. É curioso que a crença actual leva a atirar moedas para dentro dessa Ermida esperando os milagres divinos, fazendo os especialistas paralelismo com a crença árabe.
- O topónimo Arrábida em árabe significa convento fortificado para guardar fronteira, o que poderá lembrar o local onde habitavam homens santos guerreiros que meditavam, mas também combatiam por Alá.

Vivo há mais de 30 anos em Sesimbra e por isso aproveito o facto de os árabes terem passado por aqui para vos apresentar o seu diversificado legado. Venha a Sesimbra: Pode ser que lhe apareça uma Moura Encantada! Usufrua do bom tempo e da praia. Experimente a gastronomia sesimbrense. Observe o Património construído.

Bibliografia
(1) Sesimbr’acontece, Outubro’10.
Ferreira, Luís Filipe Pinhal - “Da Pedra ao acorde: O Castelo de Sesimbra”
Marques, Luís - ”O Paraíso no “fim do Mundo”, O culto de N. S. do Cabo”.
Pato, Heitor Baptista - “Nossa Senhora do Cabo - Um culto nas terras do fim”
Torres, Cláudio; Macias, Santiago – “O Legado islâmico em Portugal”

Leia também os episódios anteriores da série sobre os Árabes em Portugal publicada pelo blog Do Capibaribe ao Tejo:
Os Árabes - Origem, expansão e presença em Portugal:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabes-origem-expansao-e-presenca-em.html
Os Árabes/os Muçulmanos – Hoje no Mundo e em Portugal:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabesos-muculmanos-hoje-no-mundo-e.html
Costumes ou tradições árabes:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/costumes-ou-tradicoes-arabes.html
Os Árabes: a Herança ou o Legado em Portugal:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/12/os-arabes-heranca-ou-o-legado-em.html

* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Festa para Luiz Gonzaga

Se estivesse vivo, o cantor e compositor Luiz Gonzaga completaria nesta segunda-feira (13) seus 98 anos de idade. Mas rei é rei e a data não vai passar em branco. Para comemorar o aniversário do Rei do Baião, o Memorial Luiz Gonzaga, localizado no Pátio de São Pedro, promove uma série de eventos como shows, oficinas, palestras e mostra de cinema.

As atividades acontecem de hoje até quinta-feira (16) em diversos bairros do Recife e na sede do Memorial que abriga um dos maiores acervos do Brasil sobre a história de Gonzagão. Além de uma exposição permanente, o espaço reúne fotografias, objetos pessoais e a obra musical completa (625 canções) de Seu Lua.
Luiz Gonzaga do Nascimento nasceu em Exu, município de Pernambuco, no dia 13 de dezembro de 1912 e morreu no Recife a 2 de agosto de 1989.
.
Serviço:
3ª Semana Luiz Gonzaga
De 13 a 16/12
Informações: Memorial Luiz Gonzaga
http://www.recife.pe.gov.br/mlg/gui/Memorial.php
Pátio de São Pedro, casa 35, São José - Recife - PE

sábado, 11 de dezembro de 2010

Manoel de Oliveira comemora 102 anos

O cineasta português Manoel de Oliveira celebra hoje (11) seus 102 anos de vida. Natural do Porto, é considerado o mais antigo realizador do mundo em atividade, o único que resta dos tempos do cinema mudo. Com disposição para dar e vender, Manoel de Oliveira participa amanhã do Festival de Cinema Luso-Brasileiro, em Santa Maria da Feira, onde será homenageado com a apresentação do seu mais recente filme “O estranho caso de Angélica”.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Padroeira e rainha de Portugal

Ainda sobre o feriado do dia 8 de dezembro (ver post Sob manto azul e branco), a professora portuguesa Maria do Céu Carvalho Dias acrescenta uma curiosa informação. D. João IV, numa cerimônia em Vila Viçosa, em 1646, declara Nossa Senhora, Padroeira de Portugal, oferecendo-lhe a Coroa (régia). Por essa razão, mais nenhum rei português usou a coroa na cabeça por considerar que só a Santa tinha esse direito.

Boa noite!

Fotografia: Carlos Bayma*

Visão noturna da Zona Norte do Recife, Pernambuco.

*Para ver outras fotografias de Carlos Bayma, acesse a galeria do autor no site Olhares: http://olhares.aeiou.pt/carlosbayma
Visite também o interessante blog de Carlos Bayma (Projeto CPM 40+ Conhecer para Mudar) http://projetocpm40.blogspot.com

Jornalistas portugueses conhecem roteiros do Recife

A Secretaria de Turismo da Prefeitura do Recife recepcionou ontem (9) jornalistas portugueses que chegaram a bordo do navio Vision of the Seas, da Royal Caribbean. Os profissionais lusos conheceram os principais atrativos turísticos dos roteiros do Recife para passageiros de cruzeiros.

O grupo visitou a orla de Boa Viagem e o Bairro do Recife com parada no Marco Zero e na Rua do Bom Jesus onde estão instaladas a Embaixada dos Bonecos Gigantes e a Sinagoga Kahal Zur Israel.

Os portugueses também conferiram as peças do artista plástico, pintor e ceramista Francisco Brennand na Oficina Brennand, no bairro da Várzea. Além disso, degustaram iguarias da culinária local com toque internacional no Restaurante Mingus.

Fonte: Secretaria de Turismo do Recife

Portugal vai aplicar Acordo Ortográfico no próximo ano

O Governo português aprovou nesta quinta-feira (9) uma resolução que determina a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no sistema educativo no ano letivo de 2011/2012 e na administração pública a partir de 1º de janeiro de 2012.

Esta resolução, que também adota o vocabulário ortográfico do português - disponível no site www.portaldalinguaportuguesa.org - foi apresentada em Conselho de Ministros pelo titular da pasta da Presidência, Pedro Silva Pereira.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Nossa Senhora da Conceição - Propaganda da Casas Jose Araújo



Como nesta quarta-feira (8), minha terra natal, Recife, faz festa para Nossa Senhora da Conceição, lembrei-me de uma propaganda das Casas José Araújo que com certeza ficou na memória de muitos pernambucanos.
O jingle, pequeno e simples, retrata de forma perfeita a relação dos devotos com Nossa Senhora da Conceição. Minha avó, por exemplo, escolheu a Santa para ser a madrinha de batismo do meu tio. Também conheço muitas pessoas que no dia de hoje vestem azul e branco e outras que sobem o morro para pagar promessa. Infelizmente o vídeo tem apenas o áudio da propaganda.

Letra da propaganda Nossa Senhora da Conceição/Casas Jozé Araújo:
Senhora da Conceição / Minha Mãe / Minha Rainha / Dai-me a vossa proteção / Minha querida madrinha. / Vela acesa, subo o morro pra pagar minha promessa / Vou vestir azul e branco / Pra pagar eu tenho pressa. / As Casas Zé Araújo fazem essa louvação / Com o povo rende em graça à Virgem da Conceição.

Sob o manto azul e branco

Hoje em Portugal é comemorado o Dia da Imaculada Conceição, padroeira do País. Já o Recife celebra, nesta quarta-feira, o Dia de Nossa Senhora da Conceição, com missas e procissão no Morro da Conceição, em Casa Amarela.

Reginaldo Rossi na TV Record

Nesta quarta-feira (8), o cantor e compositor recifense Reginaldo Rossi fala sobre sua carreira e seus grandes sucessos no Entrevista Record Música, da Rede Record. Apresentado por Marco Camargo, produtor e diretor musical da emissora, o programa será exibido para Europa e África.

Reginaldo Rossi no Programa Entrevista Record Música (TV Record)
Dia: 8/12
Programação Europa – horário Londres/Lisboa: 22h15
Programação África – horário Luanda: 23h15

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mértola

Fotografia: Miguel Nuno de Carvalho Dias

Vila de Mértola com o seu castelo na parte alta, sua igreja matriz (antiga mesquita) e o rio Guadiana. Está localizada no distrito de Beja, na região do Alentejo, Portugal.


Leia o texto que o blog publicou sobre a influência árabe em Mértola:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/12/os-arabes-heranca-ou-o-legado-em.html

Câmara Municipal de Mértola:
http://www.cm-mertola.pt
Empresa Municipal de Turismo:
http://merturis.cm-mertola.pt

domingo, 5 de dezembro de 2010

Festa para o Clube Português do Recife


O Clube Português do Recife comemorou 76 anos de história, neste sábado (4), com uma festa no seu salão nobre que reuniu a comunidade lusa e muitos brasileiros. O tradicional clube, localizado no bairro das Graças, foi fundado no dia 4 de dezembro de 1934 por um grupo da colônia portuguesa em Pernambuco.

Clube Português do Recife
Av. Rosa e Silva, 172- Graças
Telefone: 81-3207-5400 / 3231.5400
www.clubeportuguesdorecife.com.br

Cadeira Vazia



Na terça-feira (30), mudei de planos e fui com o maridão ver e ouvir Mariza no Coliseu dos Recreios em Lisboa (ver post dia 29/11). A casa estava lotada e a fadista retribuiu com um ótimo show.
Decidi finalizar minha "semana Mariza" com a publicação do vídeo no qual a artista portuguesa canta a música Cadeira Vazia, dos compositores brasileiros Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves, no Programa do Jô/Rede Globo. Eu adorei ver a versatilidade de Mariza. Espero que vocês também gostem.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Os Árabes: a Herança ou o Legado em Portugal

Antiga mesquita (hoje igreja matriz) em Mértola, Portugal

Por Maria do Céu Carvalho Dias*
Fotografias: Miguel Nuno de Carvalho Dias

Já vimos anteriormente que os Árabes/Muçulmanos entraram na Península Ibérica em 711 e, até 1249 em Portugal e 1492 em Espanha, tiveram uma influência grande em várias áreas, algumas das quais ainda hoje estão a ser estudadas. Todavia é preciso recordar vários aspectos: as marcas são maiores no sul mediterrânico, onde permaneceram mais tempo; durante séculos eles foram encarados como os inimigos dos cristãos e por isso a sua cultura desvalorizada e até destruída, como aconteceu, por exemplo, em Lisboa (Lisbûna em árabe). Neste momento há mais estudos, há muitas escavações e por isso sabe-se que o legado islâmico no território que hoje é Portugal, embora menor que no oriente peninsular (Espanha), é imenso.

Vimos no 1º episódio que o povo árabe nascido na Península arábica, devido ao comércio que praticava e à guerra santa para oriente e ocidente, conheceu vários povos com culturas diversas, das quais fez uma amálgama, originando a cultura islâmica ou árabe. Esta é influenciada por povos tão distintos como gregos, romanos, bizantinos, indianos, persas, egípcios, judeus, hindus e chineses. Da China os Árabes trouxeram para a Europa invenções importantes, como a bússola, um dos contributos para o avanço dos conhecimentos náuticos e geográficos em Portugal. Veio o papel, tendo fundado na Península Ibérica a primeira fábrica europeia; a pólvora, que contribuiu para revolucionar as técnicas militares. Divulgaram conhecimentos matemáticos, filosóficos e científicos, aos quais foram acrescentando novos conceitos de Álgebra, Medicina, Astronomia e Aritmética. Espalharam, por exemplo, o sistema de numeração hindu, a que chamamos árabe ou decimal. À semelhança dos Romanos mantiveram um estilo de vida mediterrânico, urbano, luxuoso, visível, não tanto em Portugal, mas nas mesquitas e nos palácios de Espanha, onde o tamanho, a decoração, os banhos, as fontes e os jardins manifestam fausto e riqueza. No entanto as cidades de Coimbra, Lisboa, Faro, Évora e outras, foram cidades islamizadas, onde ainda se encontram troços de muralhas, portas, traçados urbanos e vestígios de mesquitas. A de Silves (Algarve), por exemplo, foi destruída para construir um templo católico, mas em Mértola – muito interessante – a mesquita passou a igreja, embora com algumas modificações.

A língua portuguesa sofreu maior influência do Latim, então falado pelos romanos, no entanto o árabe é a segunda constituinte da língua portuguesa, do qual recebeu mais de seiscentas palavras. Certamente vão reconhecer vários vocábulos: relacionados com pessoas, como alcaide, almoxarife, alferes, almirante, arrais, alfândega, atalaia, arsenal, harém, oxalá (queira Deus), salamaleque (do árabe”as-salam’alaik”= a paz esteja contigo); ligados à vida rural e à alimentação: azeitona, azeite, arroz, alfarrobeira, alfazema, alface, algodão, açúcar, açafrão, café, limão, açougue, nora, azenha, açude, alqueire, almude, arrátel, arroba; relativos às ciências: algarismo, álgebra; cáravo ou caravela, barco usado pelos portugueses na época dos Descobrimentos (depois do barinel e antes da nau); muitos nomes próprios: Algarve, Aljezur, Albufeira, Alcântara, Alfama, Azóia, Almoinha, Aiana, Alcorão, (o al significa o) etc., etc.
Há obras literárias, várias inéditas, que descrevem Lisboa como uma cidade bonita com palácios, mesquitas, jardins, termas e mercados. Há lendas de mouras encantadas, há poesia, como a de Ibne Amar, poeta de Silves. O Gharb (território muçulmano que vem a ser Portugal) seria certamente um sítio bom para viver, embora, como já referi, os vestígios sejam reduzidos.
Um outro assunto curioso é o dos provérbios ou ditados populares: há-os das mais variadas proveniências quer ocidental, chinesa, indiana, mexicana ou árabe; têm uma força educativa considerável, talvez porque transmitem em poucas palavras a verdade das coisas e são universais; a cultura popular vai-se espalhando e por vezes perde-se a sua origem; também podem chegar através de um povo que lhes dá a paternidade; pode acontecer permanecer o sentido, mas mudarem os intervenientes devido à nova cultura; a influência também pode estar na forma de pensamento ou na organização frásica. Agora vamos a alguns exemplos:
- “Tal pai, tal filho”;
- “Cada macaco em seu galho”;
- “Casa de ferreiro, espeto de pau”;
- “Mais vale um pássaro na mão, do que dois a voar”;
- “Antes só que mal acompanhado”;
- “Os cães ladram e a caravana passa”;
- “Anda mouro na costa”. Recorda as investidas dos piratas berberes na costa portuguesa. Hoje refere-se a alguém que anda a rondar, interessado.
- (Correr) “Seca e Meca”. É nitidamente árabe, pois Seca era a importante cidade de Córdova (Espanha) e Meca a cidade santa. Quer dizer fazer muito e não adiantar nada.


Arcos de ferradura no Castelo de Silves, Portugal

Quando pensamos na economia muçulmana, ocorre-nos logo o seu contributo para uma agricultura de tipo mediterrânico, à semelhança da dos romanos, com introdução de plantas como árvores de fruto, arroz, oliveira, vinha, hortas e o uso de técnicas de regadio com a nora, azenha, canais de rega. Praticaram o comércio interno e internacional, desenvolveram várias indústrias, como a têxtil e a cerâmica. Voltando a Mértola no Alentejo, aí praticaram a pecuária; a cultura de trigo; o comércio fluvial no rio Guadiana e o escoamento da produção mineira próxima (das minas de S. Domingos).

A arte árabe ou moçárabe em Portugal é sobretudo arte móvel, onde os arabescos (motivos geométricos estilizados) são o principal elemento decorativo, embora apareçam também representações vegetalistas e animais; as peças de cerâmica para o dia-a-dia sobressaem nesta produção artística. A influência árabe também se verifica, por exemplo no Palácio da Vila (Sintra), no revestimento de paredes e chãos a azulejo e mosaico, com técnicas específicas e uma linda paleta de cores importadas da Espanha mourisca. Era uma decoração bonita e barata! Se for ao Algarve observe em certas regiões umas chaminés brancas com um rendilhado na parte superior. Embora sejam de hoje, lembram os trabalhos dos árabes que ali viveram.
Das artes da construção – arquitectura militar e civil – nada chegou intacto até nós, mas muito tem sido estudado e até recuperado. Um dos casos relevantes é Mértola, onde tem havido restauros que vão do Bairro à necrópole (espaços funerários) islâmica. Se estudamos património árabe construído é obrigatório recordar a abóbada e o arco de ferradura que embora fosse utilizado na Península Ibérica antes dos islâmicos, passou a ser a sua imagem de marca. Em Portugal este arco aparece do Norte até ao Algarve, embora eu escolha fotografias de Mértola e Silves como exemplo. Já agora não confunda a arte islâmica ou árabe, com a neo-árabe que é uma arte contemporânea (fins do século XIX) que pretendia imitar e recriar com luxo e exotismo a arquitectura muçulmana. Vou enumerar algumas obras neo-árabes: Praça de Touros de Lisboa (1), Salão árabe no Palácio da Bolsa no Porto, Pátio interior da Casa do Alentejo em Lisboa, Pavilhão Mourisco no Rio de Janeiro, Fachada do Mercado Municipal de Campinas. Agora, é preciso visitar e ver, porque as minhas palavras e as imagens são insuficientes.

Próximo episódio: A herança dos Árabes em Sesimbra

Bibliografia – “História da Arte em Portugal”; Torres, Claúdio e outro, “O Legado islâmico em Portugal”.
(1) Ver blogue “O Mundo Apaixonante da Maximafilia, dia 14 de Novembro: http://omundoapaixonantedamaximafilia.blogspot.com/2010/11/praca-de-touros-do-campo-pequeno.html

Leia também os dois primeiros episódios da série sobre os Árabes em Portugal publicada pelo blog Do Capibaribe ao Tejo:
Os Árabes - Origem, expansão e presença em Portugal:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabes-origem-expansao-e-presenca-em.html
Os Árabes/os Muçulmanos – Hoje no Mundo e em Portugal:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabesos-muculmanos-hoje-no-mundo-e.html
Costumes ou tradições árabes:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/costumes-ou-tradicoes-arabes.html

* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Banda Calypso em Portugal

Os fãs de Joelma e Chimbinha vão poder matar a saudade da dupla nos dois shows que a Banda Calypso irá apresentar em Portugal, na próxima semana. Os espetáculos em solo lusitano integram a agenda da primeira excursão europeia da banda paraense, que promete aquecer, também, Inglaterra, Holanda, Bélgica, Espanha, Alemanha e Itália com coreografias dançantes e ritmos como carimbó, salsa, cúmbia, tecno, rock, lambada etc.

Banda Calypso em Portugal
Dia 7/12 – Terça-feira:
Pavilhão dos Lombos
Carcavelos - Lisboa
Dia 8/12 – Quarta-feira:
Sala 114 – Porto

Margareth Menezes e Luís Represas

A TV Globo Portugal exibe domingo (5), às 22h, o Especial Margareth Menezes. Dirigido por Wiland Pinsdorf, o registro capta a artista em diversos ângulos e mostra lugares de Salvador importantes para ela, como a Praia da Ribeira, onde nasceu, e a Feira de São Joaquim. O programa também apresenta depoimentos de familiares e amigos da cantora.

Dentre as músicas apresentadas pela baiana, destacam-se Gente, Mulher de Coronel, O Quereres, Quero Te Abraçar, Saudação a Caboclo, Lua no Mar e Os Cegos do Castelo. No especial, Margareth Menezes ainda divide os vocais com o cantor português Luis Represas e com o brasileiro Carlinhos Brown. Também participam do projeto os músicos Saul Barbosa, Roberto Mendes e Marivaldo Stomp.

Especial Margareth Menezes
TV Globo Portugal
Domingo 5/12 às 22h

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Fundaj promove Circuito de Museus

A Fundação Joaquim Nabuco(Fundaj) vai oferecer, nos dias 1º, 15 e 22 de dezembro, das 13h às 18h, um circuito de museus com saída da Praça de Boa Viagem (em frente à Igreja) para visitação aos museus Casa Museu Madalena e Gilberto Freyre e Museu do Homem do Nordeste. O transporte será gratuito e o ingresso único terá um custo de R$ 10,00.

A iniciativa faz parte do Plano Turístico promovido pelo Museu do Homem do Nordeste, que visa gerar mecanismos que garantam a identificação, preservação e divulgação dos bens culturais localizados no denominado Polo Capibaribe.
Inscrições:
circuitodemuseus@fundaj.gov.br ou pelo telefone: (81) 3073-6333

Mariza lança novo álbum em Lisboa




A talentosa, maravilhosa e chiquérrima (sou fã dela!) fadista portuguesa Mariza lança seu novo álbum Fado Tradicional, hoje (29) e amanhã (30), no Coliseu dos Recreios em Lisboa. Com mais de 30 discos de platina, a artista já ganhou diversos prêmios e recebeu duas nomeações para os Grammys.

Mariza nasceu na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, na antiga Lourenço Marques, à época capital da província ultramarina portuguesa de Moçambique. É filha de pai português, José Brandão Nunes, e mãe moçambicana, Isabel Nunes.

Dona de uma voz poderosa e ímpar, a cantora é super carismática e simpaticíssima. Já fui a dois shows perfeitos de Mariza. Pena que não vou desta vez.

No vídeo, Mariza canta a música Gente da Minha Terra, acompanhada pela Sinfonieta de Lisboa e dirigida pelo músico brasileiro Jaques Morelenbaum, num show realizado em frente à Torre de Belém.

Festas de fim de ano no Recife

Fotografia: Divulgação

Quem for passar as festas de fim de ano no Recife vai encontrar animação para todos os gostos. A ‘Capital Multicultural do Brasil’ prepara um Réveillon fazendo jus a sua tradição de diversidade cultural com uma programação, focada predominantemente em artistas locais, que abre espaço para o rock, pop, MPB, regional, frevo e samba e outros ritmos.

Em Boa Viagem, haverá dois palcos e três torres com DJs. De uma balsa dentro do mar, vão ser queimadas, durante 12 minutos, dez toneladas de fogos em frente de cada polo. Será um belo espetáculo pirotécnico para emocionar quem for receber 2011 na praia mais famosa da cidade.

No Palco de Boa Viagem, a festa ficará por conta das bandas Eddie, Fim de Feira e Paralamas do Sucesso, da Orquestra Popular do Recife e do cantor Claudionor Germano. No Palco Pina, a animação será garantida por Karina Spinelly, Samba Pernambucano, Martinho da Vila e Orquestra do Maestro Duda com a participação especial de Nena Queiroga.

Haverá ainda outros dois polos com programação. Na comunidade do Ibura, o público será animado por Beto Barbosa, Nono Germano e orquestra e bandas da comunidade. Já no Morro da Conceição, a farra será comandada por Paulo Diniz, João do Morro e bandas locais.

A abertura do Ciclo Natalino será realizada no dia 12 de dezembro, no Marco Zero, com a apresentação da Orquestra Sinfônica do Recife e participação especial de Ivan Lins e Nelson Ayres. No mesmo dia, o Balé Popular do Recife encenará o espetáculo Pique de Guerreiro na Praça do Arsenal.

O Ciclo Natalino terá como tema o “Natal da Solidariedade”. Dentre as novidades apresentadas, estão a Árvore de Natal, com 33 m e composta por 200 mil CDs e DVDs reciclados, que será montada em balsas no Rio Capibaribe, e a projeção de filmes natalinos nas proximidades da Ponte Mauricio de Nassau.

Fonte: Secretaria de Turismo do Recife

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Debate na Casa do Brasil de Lisboa

Nesta quinta-feira (25), a Casa do Brasil de Lisboa (CBL) promove um debate, às 19h, com Mônica Pereira, eleita recentemente para o Conselho de Representantes de Brasileiros no Exterior. Dirigente da Abraço, associação que presta auxílio a brasileiros na Bélgica, Mônica é uma das coordenadoras da Rede de Brasileiros e Brasileiras no Exterior.

Também participam do encontro Gustavo Behr, presidente da CBL e coordenador da Rede de Brasileiras e Brasileiros na Europa em Portugal, e Carlos Vianna, vice-presidente da CBL e representante da comunidade brasileira no Conselho Consultivo dos Assuntos da Imigração de Portugal. A III Conferência Brasileiros no Mundo, que acontecerá nos dias 2 e 3 de dezembro, no Rio de Janeiro, será um dos temas abordados no debate.

Casa do Brasil de Lisboa
Rua Luz Soriano, Nº 42
Bairro alto Lisboa
Informações: 213 400 000

Costumes ou tradições árabes


Por Maria do Céu Carvalho Dias*

Hoje na Europa aparecem ainda muitas notícias relacionadas com certos costumes ou tradições Árabes impostas pelo Corão, por isso lembrei-me de escrever algo sobre o assunto: Quanto ao vestuário, que nos nossos tempos tem originado várias discussões políticas, estabelece a simplicidade e a proibição de alguma vez os homens ou mulheres serem vistos como objectos sexuais. A propósito da mulher encontramos opiniões diversificadas, às vezes confundindo a tradição com a religião, embora baseadas na letra do Corão: as mulheres podem trabalhar, mas é mais importante tomar conta dos filhos e da casa e os empregos não podem ser importantes (esses ficam para os homens); a lei islâmica permite o divórcio, mas…. De facto há países, como a Arábia Saudita onde a mulher é inferior ao homem, não podendo por exemplo conduzir automóveis. Também há imigrantes muçulmanos em Portugal cujas leis de origem manifestam um estatuto de inferioridade da mulher em relação ao homem, por exemplo nas heranças. A sorte dessas mulheres é que tais normas, por ofenderem princípios fundamentais da ordem pública internacional do Estado Português (o princípio da igualdade entre o homem e a mulher), não podem ser aplicadas no nosso território. Segundo alguns comentadores, o homem também pode bater na mulher: “Quanto àquelas mulheres pelas quais vocês temem a deslealdade e mau comportamento, advirtam-nas (primeiro), (a seguir) recusem partilhar a cama com elas, e (por fim) batam-lhe (levemente) ” [Corão 4:34.]. Há códigos sobre a alimentação – não podem comer carne de porco, cão, gato, macaco ou qualquer carnívoro e a que comerem deve ser morta mediante certas regras.

A propósito de alimentação/culinária árabe, lembro-me logo das especiarias, do arroz, do carneiro e de alguns legumes e frutos secos e frescos preparados. Os países do chamado Crescente Fértil, como o Irão, cultivaram arroz, frutos frescos e secos e especiarias; o Iraque vai cultivar trigo, cevada, nozes, figos e fazer pão chatinho e arredondado ao qual o Líbano vai acrescentar carne e cebola. As favas, o grão e o peixe vão aparecer também em certas regiões; na Arábia o nomadismo levou ao uso do carneiro e legumes, como a beringela, cultivada em oásis. As viagens comerciais e religiosas vão-nos deixar uma cozinha de aromas e cor que vale a pena conhecer. Tenho à minha frente receitas como: de Kibe cru que é uma mistura de trigo com carne picada (não sei se gostarei); Arroz árabe que é cozinhado com caril e depois de pronto leva pinhões, nozes, amêndoa, passas, maçã; Frango árabe preparado com azeite, mel, canela, gengibre, cebola, açafrão, cominhos, coentros. Como é que eu ia esquecer o cuscuz, originário do norte de África! As sobremesas são muito saborosas e nelas usam nozes, mel, frutos secos e essência de rosas ou laranjeira. Gostamos? Podemos experimentar em nossas casas, ou ir ao restaurante. Enfim, os Árabes seguiram a Lei do Corão e aproveitaram variados produtos das regiões por onde se espalharam.

Próximo Episódio: A herança árabe ou islâmica

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Xari
http://www.receitasdecomidas.com

Leia também os dois primeiros episódios da série sobre os Árabes em Portugal publicada pelo blog Do Capibaribe ao Tejo:
Os Árabes - Origem, expansão e presença em Portugal: http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabes-origem-expansao-e-presenca-em.html
Os Árabes/os Muçulmanos – Hoje no Mundo e em Portugal: http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabesos-muculmanos-hoje-no-mundo-e.html

* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa

Salão da cachaça em Pernambuco


O IV Salão Internacional da Cachaça começa nesta quinta-feira (25) e segue até sábado (27), no Centro de Convenções de Pernambuco. O evento pretende promover negociações internacionais, aproximar produtores, fortalecer o setor e debater políticas e estratégias para buscar o reconhecimento mundial para a bebida.

Na programação estão previstas rodadas de negócios internacionais, exposições de empresas locais, degustações, palestras, concurso de bar tender, oficina de gastronomia, lançamento de livros e mesas de debates.

Mais de 10 mil pessoas são esperadas para o evento, que vai reunir produtores, empresários e pequenas indústrias, além de prestadores de serviços de toda a cadeia produtiva do setor.

Segundo dados do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Pernambuco é o segundo maior produtor e exportador da bebida no Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo. Hoje, a produção pernambucana é de aproximadamente 100 milhões de litros de cachaça por ano.

Serviço:
IV Salão Internacional da Cachaça
25 a 27 de novembro
Centro de Convenções de Pernambuco
Horário: 14h às 22h
www.salaointernacionaldacachaca-pe.com

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Dia do Rio Capibaribe

Fotografia: Carlos Bayma*

Nesta quarta-feira (24), é comemorado, pela primeira vez oficialmente, o Dia do Rio Capibaribe. A data foi instituída por lei (nº 14.011) em março deste ano. No Recife acontecem hoje diversas atividades para festejar o tão famoso e querido rio. Também estão programados trabalhos educativos e de conscientização para a importância da preservação e limpeza do Capibaribe.

O Rio Capibaribe é um dos rios do estado de Pernambuco. Seu nome deriva da língua tupi - Caapiuar-y-be ou Capibara-ybe (ou ipe) - e significa rio das Capivaras ou dos porcos selvagens. Nasce na Serra de Jacarará, na divisa dos municípios de Jataúba e Poção. Antes de desaguar no Oceano Atlântico, passa pelo centro do Recife.

*Para ver outras fotografias de Carlos Bayma, acesse a galeria do autor no site Olhares: http://olhares.aeiou.pt/carlosbayma
Visite também o interessante blog de Carlos Bayma (Projeto CPM 40+ Conhecer para Mudar) http://projetocpm40.blogspot.com

Novela portuguesa ganha Emmy

A telenovela Meu Amor, exibida pela emissora portuguesa TVI, recebeu o prêmio Emmy de Melhor Novela Internacional, em cerimônia realizada segunda-feira (22) em Nova York. A produção lusa concorreu com um trabalho argentino e outro filipino.

Escrita por António Barreira e produzida pela Plural Portugal, Meu amor ficou no ar por mais de um ano, de 19 de outubro de 2009 até 23 de outubro deste ano, e teve como protagonistas os atores Alexandra Lencastre, Margarida Marinho, Rita Pereira, Paulo Pires e Nicolau Breyner.
Meu Amor é a primeira novela portuguesa a receber um Emmy. Parabéns!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Cancelamento do show de António Zambujo

Fui informada que a apresentação de António Zambujo no Recife (ler post abaixo) foi cancelada. Não sei o motivo nem se será programada outra data. Uma pena!

Fadista português no Recife


Em seu site Obra em Progresso, Caetano Veloso escreveu:"...o que se ouve em Zambujo é algo já que vai mais fundo. É um jovem cantor de fado que, intensificando mais a tradição do que muitos de seus contemporâneos, faz pensar em João Gilberto e em tudo que veio à música brasileira por causa dele". Uma das maiores estrelas da nova geração de fadistas de Portugal, António Zambujo lança "Guia", seu quarto CD de carreira, nesta quinta-feira (25), às 21h, no Teatro da UFPE, Recife, com participações especiais de Fafá de Belém e Rodrigo Maranhão.

António Zambujo nasceu em 1975, em Beja, no Alentejo, Portugal. Em 2006, ganhou o prêmio Amália Rodrigues na categoria "Melhor Intérprete Masculino de Fado", conferido pela Fundação Amália. O show no Recife será a abertura da turnê do cantor no Brasil. Depois da apresentação na capital pernambucana, ele canta no palco do Viva Rio, no Rio de Janeiro (dia 26/11) e segue para São Paulo onde solta a voz no Bourbon Street (dias 30/11 e 1º/12).
O rapaz promete e o show também! Vale a pena conferir.

Serviço:
Show de António Zambujo
Quinta-feira, 25 de novembro
Teatro da UFPE, às 21h
Ingressos:
Inteira R$ 40,00 Meia entrada R$ 20,00
Vendas:
Loja Saraiva (Shopping Recife) e bilheteria do teatro.
Site de António Zambuja: http://www.antoniozambujo.com

António Zambuja canta, no vídeo acima, a música Nem as Paredes Confesso. Uma interpretação que parece acrescentar ao fado um leve toque de bossa nova. Eu gostei!

Blogcamp Pernambuco

O Recife recebe grupo de blogueiros e expoentes de redes sociais como Orkut, Facebook e Twitter em mais uma edição do Blogcamp. O encontro acontece nos dias 26 e 27 de novembro, no Armazém 12, dentro da programação da Expoidea.

Na abertura do Blogcamp, sexta-feira (26), a Prefeitura do Recife vai apresentar todas as ações na internet e mídias sociais que visam facilitar o acesso à informação seja para o cidadão como para o turista.

Antes de acontecer no Recife, o Blogcamp passou por Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Ceará. A capital pernambucana foi escolhida para sediar o debate em 2010 por ter uma grande audiência na internet e ser um dos principais polos de informática e tecnologia do Brasil.

Serviço:
BlogCamp Pernambuco
26 e 27 de novembro
Local: Armazem 12 – Bairro do Recife
Entrada gratuita e não precisa de inscrição
http://blogcamppe.com
http://www.expoidea.com.br

domingo, 21 de novembro de 2010

Os Árabes/os Muçulmanos – Hoje no Mundo e em Portugal

Mesquita

Por Maria do Céu Carvalho Dias*

À medida que fui pesquisando, achei que era bom saber mais deste povo que hoje continua espalhado pelo Mundo e com incontestável importância. Vou deixar a herança ou o legado árabe, para outro episódio, procurando agora trocar algumas ideias sobre a presença árabe no século XX no Mundo e em Portugal.

No Mundo: Desde o princípio do século XX que o nacionalismo árabe está a crescer. Assim, durante a Primeira Guerra Mundial os Britânicos aproveitam para incentivar os Árabes a lutarem contra o dominador turco. De facto encontramos a Arábia Saudita, a Síria, o Iraque e a Transjordânia (estados puramente árabes) como protectorados ingleses ou franceses durante vários anos. A História do século XX vê nascer novos estados árabes, como o Egipto, que vão lutar contra o domínio colonial e, claro, contra Israel. A união de tantos estados tem sido difícil, (será que o origem nómada deste povo dificulta?), mas o seu papel cresceu com o petróleo, já que o Próximo Oriente passou a primeiro produtor e a possuidor de mais de metade das reservas de petróleo actualmente (1998) conhecidas. Mais próximo de nós podemos ainda recordar as tristes Guerras do Golfo e todas as Guerras israelo-árabes e deixamos para outros a discussão sobre a divisão do mundo em civilização ocidental e civilização árabe.

A expansão do islamismo pelo mundo é visível na Ásia, em África, na América e na Europa e por isso escolhi três casos diversos: o da Guiné-Bissau, onde vivi algum tempo nos anos setenta do século XX, durante a Guerra Colonial; o do Brasil, porque li Jorge Amado que descreve personagens árabes, porque acompanhei algumas personagens interessantes em telenovelas e porque muitos de vós sois brasileiros; o de Portugal, o meu país.
Guiné-Bissau – Foi uma colónia portuguesa em África. Quase metade da população - as etnias ricas dos Mandingas e dos Fulas - é muçulmana. Esta religião chegara à África ocidental a partir do norte de África pela mão de comerciantes. Uma vez observei uma situação curiosa que passo a descrever: uma camioneta vinha do interior para Bissau e em determinado momento parou; porquê? Era hora de rezar e o Muçulmano desceu, estendeu uma esteira e voltado para a cidade de Meca (a oriente) orou e fez as suas abluções; em seguida enrolou a esteira, entrou e a camioneta prosseguiu viagem. Outra grande fatia, quase metade também, segue as religiões animistas. Fazendo as contas, neste país, o cristianismo é praticado por muito poucos.
Brasil – Sempre me interessou conhecer influências sobre culturas/civilizações, podendo ser a portuguesa ou outra, como a brasileira. Nesta os Índios, os Negros, os Portugueses, os Holandeses, os Franceses, os Espanhóis, os Italianos, os Alemães, os Japoneses e os Muçulmanos contribuíram mais, ou menos. Sabe-se que foi o Imperador Pedro II, na segunda metade do século XIX, que atraiu imigrantes árabes ao Brasil. As más condições sócio-económicas e políticas, estimularam, em grande escala, libaneses e sírios. A maior colónia está em S. Paulo, onde prosperaram como comerciantes, embora muitos outros se tenham espalhado pelo país como mascates.
A primeira leva era cristã e a miscigenação não foi difícil. O fim do século XX, devido às guerras no Médio Oriente, trouxe nova leva de libaneses, na sua maioria muçulmanos. Para concluir posso referir que a população árabe no Brasil é mais numerosa do que em qualquer outra parte do Mundo. Mas deixo isso para uma pesquisa mais profunda.
Portugal - A Comunidade Islâmica de Lisboa foi criada oficialmente em 1968 por estudantes de Moçambique (então colónia portuguesa), como associação religiosa e cultural. Tem umas 40000 pessoas vindas, sobretudo depois do 25 de Abril de 1974, de Moçambique, Guiné-Bissau e outras regiões, bem como os seus descendentes. Os muçulmanos em Portugal também cresceram devido às relações políticas e comerciais com a China e com a Índia. Existem em Portugal vários lugares de culto: a Mesquita do Laranjeiro (na margem sul do Tejo) inaugurada em 1982; a de Odivelas (junto de Lisboa) em 1983; a Mesquita de Lisboa inaugurada em 1985, que têm um papel, não só religioso, mas também social. Por todo o país há muitos outros locais de culto e convívio muçulmanos. Ainda antes da inauguração das mesquitas, em 1978, foi fundado o Centro Islâmico de Portugal. Como a alimentação muçulmana também apresenta características específicas, em 1992 foram criados os primeiros três talhos islâmicos na zona da Grande Lisboa. Pelo país fora foram aparecendo outras associações, como o Centro Cultural Islâmico do Porto, a Associação Luso-Turca e até colégios, como Colégio Islâmico de Palmela (nos arredores de Lisboa) cujos alunos são maioritariamente muçulmanos, mas está aberto a outros credos.
Até 1961 Goa, Damão e Diu na Índia eram colónias portuguesas e por isso resolvi lembrar a presença indiana na sociedade portuguesa: são cerca de 70000 e vieram para Portugal aquando da invasão de Goa pelo estado indiano (1961) e depois do 25 de Abril de 1974, pois muitos encontravam-se nas colónias portuguesas em África, que se tornam países independentes. Eram trabalhadores qualificados, fixaram-se nas zonas de Lisboa e Porto, mantêm a sua identidade sócio-religiosa, a maioria fala português, mas uma grande parte não é católica, mas muçulmana ou hindu.

Já que estou a escrever sobre os Árabes quero lembrar que terminou agora a Peregrinação a Meca de 2010. Esta religião obriga a que se vá ao lugar sagrado, Meca, uma vez na vida. São tantos os peregrinos, uns milhões, que muitas vezes há tragédias consideráveis e este ano já existe um metropolitano para facilitar a circulação dos crentes.

Próximo Episódio: Costumes ou tradições árabes

Fontes:
Dicionário de História Universal;
http://www.portugal-islamico.blogspot.com/
http://ec.europa.eu/delegations
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra

Leia também o primeiro episódio da série sobre os Árabes em Portugal publicada pelo blog Do Capibaribe ao Tejo:
http://docapibaribeaotejo.blogspot.com/2010/11/os-arabes-origem-expansao-e-presenca-em.html

* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Fundaj lança revista eletrônica


Está no ar a primeira edição da Coletiva, revista eletrônica de divulgação científica, publicada pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj). Com periodicidade trimestral, a publicação apresenta reportagens, entrevistas e artigos redigidos por especialistas. Também veicula notícias, ensaios fotográficos, memória, vídeos e um canal direto para pesquisadores e estudiosos divulgarem seus trabalhos. Todo o conteúdo é aberto aos internautas.

A Coletiva é desde já uma ótima fonte de informação para estudantes, pesquisadores, professores e público em geral. Eu já li e recomendo. Parabéns pela iniciativa e muito sucesso!!!

Acesse o conteúdo da revista Coletiva no endereço:

Jornalistas brasileiros participam de seminário em Coimbra

O jornalista brasileiro William Bonner, editor-chefe e apresentador do Jornal Nacional exibido pela Rede Globo, abre o Seminário sobre Jornalismo Televisivo Político que será realizado nos dias 22 e 23 de novembro, no Anfiteatro IV da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal.

Além de Bonner, o encontro contará com a presença de reconhecidos jornalistas da Globo como Erick Bretas, Teresa Cavalleiro, Maria Thereza de Almeida e Zileide Silva que, durante os dois dias, vão partilhar a sua experiência com os estudantes sobre como fazer jornalismo político em televisão.

O seminário é co-organizado pela secção de Comunicação da Faculdade de Letras e pela TV Globo e envolve a participação de 50 formandos, todos estudantes de Jornalismo.

O programa do Seminário:
22/11 – 9h30: aula de William Bonner
Modo de fazer o telejornal “Jornal Nacional”
22/11 – 14h30: aula de Erick Bretas
Jornalismo local e de serviços
23/11 – 9h30: aula de Teresa Cavalleiro e de Maria Thereza de Almeida
Programas especiais jornalísticos
23/11 – 14h30: aula de Zileide Silva
Coberturas políticas em Brasília e coberturas internacionais

serviço:
Seminário sobre Jornalismo Televisivo Político
22 e 23 de novembro de 2010
Local: Anfiteatro IV da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal

Homenagem aos vencedores do concurso da Fundaj


Os estudantes das redes pública e privada que foram vencedores do Concurso História Ilustrada: Vida e Obra de Joaquim Nabuco tiveram seus nomes anunciados no site da Fundaj e vão ser homenageados nesta sexta-feira (19), às 10h, em solenidade na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) .

O concurso foi uma das ações do Ano Joaquim Nabuco, em memória ao centenário de morte do patrono da Fundaj, e contemplou com R$ 5 mil cada trabalho vencedor (individual ou em grupo), nas categorias Ensino Fundamental Público, Ensino Fundamental Privado, Ensino Médio Público e Ensino Médio Privado. Cada escola vencedora ganhou um computador para uso coletivo de seus alunos.

Foram 103 trabalhos inscritos, dos quais 31 foram.Os vencedores nas categorias Ensino Público são de escolas de Camaragibe e Petrolina. Já os contemplados das escolas de Ensino Privado são dos municípios de São Vicente Férrer e Escada.

Serviço:
Solenidade de Premiação do Concurso História Ilustrada: Vida e Obra de Joaquim Nabuco
Sexta-feira, 19 de novembro, às 10h
Plenário da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco
Site Fundaj: http://www.fundaj.gov.br
Fonte: Assessoria de Imprensa da Fundaj

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Praça do Entroncamento

Fotografia: Carlos Bayma*

Semira Adler Vainsencher
Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Tempos atrás, a atual Praça do Entroncamento representava a interseção de vias férreas (as maxambombas) - a do Arraial, a da Várzea e a de Dois Irmãos. A denominação Entroncamento foi colocada pela população recifense, da mesma forma que se colocou o nome no bairro da Encruzilhada.

Em seu centro, foi projetada um fonte de ferro, em estilo neoclássico, apresentando uma coluna esguia, com folhas e flores, e uma mulher e gárgulas, mais no alto, de onde escoa água.

A Praça foi inaugurada na gestão do Prefeito Antônio Correia de Góis, com o nome oficial de Praça Correia de Araújo, uma homenagem a um governador que Pernambuco teve em 1896. Há uma inscrição, na base da fonte, com os seguintes dizeres:
Inaugurada em 19 de outubro de 1925.
Prefeito Antônio de Góis
.

Ao redor da fonte, pode ser apreciado um círculo de palmeiras. A Praça do Entroncamento possui um grande número de mangueiras (Mangifera indica L.) que foram plantadas em 1924, por ocasião do governo de Sérgio Loreto. Nos últimos anos, o local foi revitalizado e, em seu interior, foi instalado um parque infantil.

Perto da Praça, fica o Palácio de São José dos Manguinhos, no bairro das Graças, que serviu de residência oficial, durante muitos anos, do falecido Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara, e, ao seu lado, está a Capela de São José dos Manguinhos.

Um pouco antes da Praça, encontra-se o tradicional Clube Português do Recife, fundado em 1934; e a Avenida Agamenon Magalhães. Antes desta avenida, fica o Colégio Ágnes Eriskine, que foi fundado por missionários presbiterianos e funciona desde 1904.

Em volta da Praça do Entroncamento, devido ao acelerado processo de urbanização, os grandes casarões de outrora foram transformados em estabelecimentos comerciais de vários tipos: bancos, farmácias de manipulação, livrarias, entre outros. E, no presente, o logradouro representa uma artéria importantíssima, por onde circula grande parte dos veículos que vêm do subúrbio para o centro do Recife.

Anualmente, no mês de dezembro, a Praça do Entroncamento é iluminada por milhares de lâmpadas de Natal, que são colocadas em volta das árvores e plantas, do parque e dos postes. À noite, em especial, esse logradouro público se transforma em um magnífico cartão postal.

Fontes consultadas:
CAVALCANTI, Carlos Bezerra. O Recife e seus bairros. Recife: Câmara Municipal do Recife, 1998.
FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

* Para ver outras fotografias de Carlos Bayma, acesse a galeria do autor no site Olhares: http://olhares.aeiou.pt/carlosbayma
Visite também o interessante blog de Carlos Bayma (Projeto CPM 40+ Conhecer para Mudar) http://projetocpm40.blogspot.com/

Real Hospital Português celebra 155 anos



O Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco festeja 155 anos de existência, hoje (18), com uma programação especial comandada pelo provedor Alberto Ferreira da Costa. Entre as diversas autoridades que participam do evento estão a ministra da Saúde de Portugal, Ana Maria Teodoro Jorge, o ministro da Saúde do Brasil, José Gomes Temporão, e o embaixador de Portugal no Brasil, João Salgueiro.

As comemorações começam a partir das 19h com missa de Ação de Graças, inauguração do Edifício João de Deus e do Real Lab e entrega de medalhas a autoridades e instituições que ajudaram a construir a história do hospital.

O Real Hospital Português de Beneficência de Pernambuco é um dos maiores complexos hospitalares do Norte-Nordeste do Brasil. Em área construída de 96.645 m², possui 580 leitos e emprega cerca de três mil funcionários. No local funcionam 53 clínicas especializadas e três laboratórios.

A instituição recebeu este ano o Prêmio Empresa Brasileira 2010, outorgado pela Latin American Quality Institute (LAQUI) e destaca-se no pólo médico pernambucano pelo seu pioneirismo, com a realização dos primeiros transplantes de rim, coração e medula óssea.

Com informações da Embaixada de Portugal no Brasil

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Recife participa do Festival do Turismo de Gramado

O Recife vai apresentar as suas diversas potencialidades turísticas no 22º Festival do Turismo de Gramado, que acontece entre os dias 18 e 21 de novembro, no Rio Grande do Sul. Como a feira terá um pavilhão específico para o turismo GLS, a Secretaria de Turismo da Prefeitura da Cidade do Recife, em parceria com o Recife Convention & Visitors Bureau, fará um trabalho direcionado de divulgação da capital pernambucana como um destino receptível para esse público.

A expectativa é que cerca de 13 mil profissionais do setor circulem pela feira. A Equipe Recife te Quer, da Secretaria de Turismo do Recife, também participa do evento, em parceria com a Empetur. Serão entregues aos visitantes a Revista Recife te Quer, o Mapa Turístico do Recife e folders bilíngues.

Fonte: Secretaria de Turismo do Recife

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Instituto Camões promove cadeia de leitura de obras de Saramago

Uma cadeia de leitura de excertos das obras de José Saramago acontece hoje (16) – dia do aniversário do nascimento do escritor em 1922 – em 22 pontos da rede de leitorados, centros de língua e centros culturais do Instituto Camões (IC) no mundo. Ao todo serão 26 cidades de quatro continentes prestigiando a obra do Prêmio Nobel da Literatura (1998) de língua portuguesa.

Parabéns, Saramago!!!

Saiba mais em:

http://www.instituto-camoes.pt/noticias-ic-portugal/instituto-camoes-promove-cadeia-de-leitura-de-obras-de-saramago-em-26-cidades-de-4-continentes-no-dia-do-aniversario-do-escritor.html

Os Árabes – Origem, expansão e presença em Portugal

Granada - Espanha

Por Maria do Céu Carvalho Dias*
Fotografia: Miguel Nuno de Carvalho Dias

“Nome dado aos povos semitas originários da península da Arábia (Península do sudoeste da Ásia, situada entre o mar Vermelho e o golfo Pérsico) e hoje, de um modo geral, aos povos do Próximo Oriente que falam a língua árabe, e até a quase todos os povos islâmicos”.

É interessante saber que em Portugal (não sei como é no Brasil) foram sendo nomeados de várias maneiras conforme o ângulo de análise: Muçulmanos (aqueles que se submetem a Deus); Islamitas (os que praticam o islamismo); Maometanos (os que seguem Maomé); Sarracenos (os que conquistaram a Península Ibérica); Mouros (os naturais do Magrebe que se encontravam na Península Ibérica).

Antes de Maomé (nasceu no século VI), estes povos (os beduínos) estavam organizados em tribos e dedicavam-se à caça, à pastorícia, ao tráfico caravaneiro e até a invadir território inimigo, as chamadas razias. Tinham uma religião animista, pois adoravam o sol, a lua, pedras sagradas, a mais importante das quais era a Pedra Negra de Meca. Com Maomé, no século VII, certamente por influência judaico-cristã tudo mudou: no deserto ele foi inspirado por um anjo que o levou a pregar o Islamismo, a segunda maior religião do Mundo. Esta é monoteísta (Alá é o deus único); manda que os crentes rezem cinco vezes ao dia virados para Meca; que façam jejum durante um mês do nascer ao pôr-do-sol (o Ramadão); que vão a Meca pelo menos uma vez na vida. O Corão ou Alcorão, livro sagrado, é a mais importante fonte de jurisprudência islâmica com normas religiosas, alimentares, de vestuário, relativas às mulheres, enfim, de vida. Esta religião deve ser espalhada através da Guerra Santa. A importância do Islamismo é tal, que um momento chave da vida de Maomé – 622, fuga de Maomé de Meca para Medina – passou a ser considerado o início da era muçulmana, como o nascimento de Cristo é o princípio da era de Cristo para o Ocidente. Rapidamente conquistam a Síria, a Mesopotâmia, a Pérsia, o Egipto, a Líbia e, através do Norte de África, chegam â Península Ibérica (Al-Ândalus). Aqui souberam aproveitar a decadência do Reino visigótico que conquistaram em 711. Os Árabes chegaram até às Astúrias (montanhas a noroeste da Península Ibérica), onde se esconderam os povos cristãos peninsulares e donde irá partir mais tarde a expulsão dos invasores (Reconquista Cristã) e daí nascer Portugal (1). Ainda avançaram para norte, no Reino Franco (actual França), mas foram travados em Poitiers (732).

Sabe-se que no Gharb - território que vem a ser Portugal – “a estratégia de ocupação operada nesse território pelas primeiras tropas muçulmanas basear-se-ia mais no estabelecimento de consensos e na elaboração de acordos com as populações”. Procuravam islamizar estas, que se denominarão Moçárabes. Estes gozavam de liberdade de culto, tinham leis próprias, mas direitos limitados e estavam sujeitos a vários impostos. Como havia muitos contactos entre as populações, as marcas árabes são muito diversificadas em toda a Península, como veremos depois.

Durante o movimento da Reconquista, iniciado ainda no século VIII, os Árabes começaram a ser exterminados, ou escravizados. Houve, no entanto, alguns que foram protegidos pelos reis portugueses. Temos como exemplo a carta de foral que em 1170 o rei D. Afonso Henriques deu às populações mouriscas de Lisboa, Almada, Alcácer e Palmela, que se lhe submeteram. Quando eram muitos, como em Lisboa, Setúbal, Loulé, Silves, Beja, etc., viviam em comunas ou comuns governados por um alcaide. Aos bairros chamavam-se mourarias (este nome ainda hoje permanece num dos pitorescos bairros de Lisboa). Como os Judeus, (2) usavam vestuário e sinais específicos. Nestes bairros estavam incomunicáveis com os cristãos entre o pôr e o nascer do sol e a partir do século XIV foram sujeitos a penas graves se contrariassem esta lei. Estas normas foram mantidas durante séculos, mas muitas vezes não eram cumpridas: o rei D. Afonso Henriques teve um filho de uma moura e D. Afonso III uma filha. Ao contrário dos Judeus a principal ocupação era a agricultura, embora também fossem sapateiros, ferreiros, oleiros. Pagavam à Coroa duros impostos: de capitação, pago desde o nascimento; dízima dos produtos colhidos em terra que explorassem; imposto sobre o gado, mel e cera; sobre todos os bens que usassem ou possuíssem; sobre o trabalho; sobre compra e venda, etc., etc. Era uma vida difícil, mas parece que eles não a achavam pior do que quando viviam debaixo do domínio dos seus reis e por isso muitos iam ficando em Portugal. Com D. Manuel I, em 1496, foram apanhados pelo decreto de Expulsão dos Judeus e, ou saíam do país ou se baptizavam, tomando o nome de mouriscos ou mudéjares. Parece que poucos foram acusados de islamismo pelo Tribunal da Inquisição. Todavia nos processos daquele Tribunal aparecem vários, alguns com nomes sesimbrenses e naturais da vila de Sesimbra, apanhados no século XVII nas malhas do Santo Ofício, embora por pouco tempo:
- Manuel Rodrigues, marinheiro, cativo pelos mouros, fez corso contra cristãos, morador no Maranhão, Brasil.
- António Cacheiro, marinheiro, morador em Sesimbra, filho de João Farto e de Catarina Gaspar.
- Sebastião Correia Peixoto, morador em Mazagão, filho de Diogo Preto Peixoto e de Brites de Deus Correia.
Não posso deixar de referir, pela sua crueldade, castigos infligidos aos Árabes: “…que se corte o pé ao mouro que fuja; …que se corte as mãos ao que falsificasse moeda….” Em 1249 o domínio árabe terminou definitivamente no território que hoje é Portugal e só em 1492 no Reino de Granada, em Espanha.
A partir do século XVII há poucas informações de Árabes/Mouros, porque, ou se misturaram com a população portuguesa, ou conseguiram fugir para zonas muçulmanas.

A seguir falarei dos muçulmanos hoje (século XX), no Mundo e em Portugal. A herança árabe e as marcas em Sesimbra (onde vivo) serão analisadas posteriormente.

(1) – Ver este blogue: “A cidade berço de Portugal”; “Uma lição de portuguesismo”
(2) – Ver este blogue sobre os Judeus
Bibliografia – Dicionário de História Universal. Dicionário de História de Portugal.
Torres, Cláudio e outro, O Legado Islâmico em Portugal.

* Maria do Céu Carvalho Dias é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa